Ep.5 Mágico das Mãos Furadas

Queres Deus vivo ou queres ele morto?

Janeiro, 1882. (do menino pra Nietzsche, descoberta 05)

Em uma tarde de verão, recolhi umas folhas secas, desprendidas dos coqueiros, encostei junto a um barco condenado a não navegação, uns retalhos de redes como apoio de cabeça, ali adormeci.


Queres Deus vivo ou queres ele morto?
Amplitude - Dido 2020

Em sonho, um menino mágico surgiu caminhando sobre o mar, ele andava na água como estivesse andando na areia.

Ele sabe da caverna, imaginei. Era pôr do sol, veio até onde estava e me sacudiu.

Ei Menino, cheguei.

Ajoelhou-se, aos meus pés, dizendo:

Minha reverência, ao fruto da Figueira

Que assim seja. Respondi com uma quase certeza (este é filho de Deus)

Completei dizendo:

Que toda Figueira, tenha seus frutos reverenciados.

Nem mesmo terminei de falar, recebi um punhado de areia na cara.

“Quem chegar por último é a mulher do padre.”

Tentei segurá-lo, ágil como gato pulou, quando abri os olhos cheios de areia, ele já estava na água.

“Ganhei, ganhei gritava o mágico.”

Corri até ao mar onde estava.

Com um golpe certeiro, segurou meu pescoço, apertou fortemente, olhando dentro de mim. Falou.

Porque? Porque correu até aqui? Porque beijou meus pés? Porque acreditou quando reverenciei o fruto? Deus está morto ou vivo? O que importará isso? Porque separas, vida da não vida? Porque separas, feio do não feio? Porque separas, o bom do não bom? Vivo ou Morto, o que mudará?

O que tens é o agora, este mar, esta a areia, quando separas areia em grãos, separas também teus passos. Simplesmente caminhe na areia, chegarás a sombra pertencente a você. Ela é exclusiva sua. Só você poderá usufruí-la.

Não se importe com outras sombras. Elas poderão ser até mais frescas. Porém o que tens, é o que tens. Caminhe na areia, não nos grãos.

Experimente. Suba em uma árvore. Olhe toda vastidão que alcançares. Veraz areia ou grãos?

Cada partícula de areia é um pedaço do próprio Deus das Areias. Olhe o todo e veraz o Deus das Areias.

Queres cultuar? Cultues o todo. Tens a areia queimando teus pés, guiando-te até tua sombra. Cultues o que tens agora. Ou tens algo mais do que o que tens agora?

"O meu velho coração salta e rejubila ao ver que ainda há que adorar na terra." Assim Falou Zaratustra - Friedrich Nietzsche 


Queres Deus vivo ou queres ele morto? Como diferenciar, Vivo de Morto? Sabes?

Importe-se com o agora, com a vida que tens agora.


Caminhando sobre as águas, sumiu no horizonte. Antes, já distante levantou as mãos, não posso afirmar, mas pareciam de longe serem furadas, um furo no meio de cada uma de suas mãos.

(Pensar o não pensado -incolore-creare )


Próximo Episódio: Os sem Apitos.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Nietzsche - Os valorosos Medíocres.

A Mulher

O Viciado Nietzsche