Pesadelo de Nietzsche "Eterno Retorno"

O Sucumbido, se reerguerá.

imagem relogio

(Carta do Menino, para Nietzsche)

Senhor Nietzsche.

Permita-lhe dizer-te: Sua mente é intuitiva, seu pensar é poético, imagino ser herança de pensadores da antiguidade, de Heráclito, talvez.
A escureza, na profundez dos seus conceitos, flui como um rio, unificador de todos os seres.

"Tenho o direito de me considerar o primeiro filósofo trágico, quer dizer, o extremo oposto e o antípoda exato de um filósofo pessimista. Antes de mim, não se conhece essa transposição do dionisíaco em uma paixão filosófica: falta a sabedoria trágica." (Nascimento da Tragédia)
Comtemplando seus escritos: "Nascimento da Tragédia do Espírito da Música", posso dizer-te que experenciou o trágico, o princípio dos fenômenos compreensíveis na amplitude de seu pensar filosófico.
O Senhor percebeu, na arte o fundamental, ampliou sua visão, “contra doutrina e contra vida”. Imediatamente clarificado lhe foram os ideais morais tradicionais do cristianismo. Olhas agora para o mundo com o coração.
“Eu sou, no mínimo, o homem mais terrível que até agora existiu; o que não impede que eu venha a ser o mais benéfico. Eu conheço o prazer de destruir em um grau conforme à minha força para destruir – em ambos obedeço à minha natureza dionisíaca, que não sabe separar o dizer Sim do fazer Não” (Ecce Homo)
Sua filosofia de vida deve ser entendida como um mantra, um barco, uma direção, apesar de todas as adversidades, validas até mesmo o terrível, percepção básica, enraizada no temporário está, porém não na finitude circunstanciais vividas.

A desgraceira, ou nem mesmo o fim da própria existência individual, vislumbrastes não se tratar da aniquilação, tampouco um final. Manifestado no Senhor está que o descontinuado, ele retorna ao chão da vida, onde tudo sucumbido, se reerguerá.

“O dizer Sim à vida, mesmo em seus problemas mais duros e estranhos; a vontade de vida, alegrando-se da própria inexorabilidade no sacrifício de seus mais elevados tipos – a isso chamei dionisíaco, nisso vislumbrei a ponta para a psicologia do poeta trágico” (Crepúsculo dos Ídolos)

A visão do Senhor, do seu mundo, nos contrapõe-se a direção de uma vida eterna, numa vida após a morte, nos converge a focarmos neste mundo.
Senhor, posso chamar isso de pesadelo? Como chamas?

“Mas confesso que a mais profunda objecção contra o «eterno retorno», o meu pensamento" genuinamente mais abissal, são sempre a mãe e a irmã.” (Ecce Homo)

O homem é o regente de um novo tempo, um tempo sem futuro, sem passado, um tempo circular.

"Assim como o mito é ilustrado pelo Demeter, que está imerso em luto eterno, que se alegra pela primeira vez quando lhe dizem que ela pode dar à luz ao Dionísio novamente." (Nascimento da tragédia)

A negação do potencial sobre-humano, é nosso declínio, um grande flagelo, aprendi com o Senhor.

" ...significa a desvalorização dos valores anteriores, um sinal de decadência, um estado que pode levar à catástrofe, um período intermediário em que uma era mundial chega ao fim e um novo só sobe. Com a doutrina do “eterno retorno”, ou seja, do ciclo incondicional e infinitamente repetido de todas as coisas" (Ecce homo)

Testemunhei meu caro Senhor, que sua essência parece estar na auto-experiência, em quebrar todos os valores, matando todos os deuses, matando a si mesmo.

Desconfiado estou, que o Senhor, é assim como todos nós somos:
“Criadores das Criaturas imaginárias, que julgamos ser”.

"Deus morreu: agora queremos que o super-homem viva." (Assim Falou Zaratustra)

Observando todo seu dançar, meu caro Senhor, vejo só movimentos repetidos, como os meus.

Continuo: “acabar o inacabado” - Libertarmo-nos desse “eterno retorno”
Incolore Creare  - “O menino salvo da guerra pelo filósofo”

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Nietzsche - Os valorosos Medíocres.

A Mulher

O Viciado Nietzsche